segunda-feira, 20 de outubro de 2014

               OPI-002.eps

Motoristas tapam buracos que impedem tráfego de veículos na PE-145

Os motoristas que precisam trafegar pela PE-145 tem enfrentando muitas dificuldades com os buracos na rodovia. Alguns resolveram por conta própria tapar os buracos ao longo da rodovia, que é principal rota para moradores de Jataúba e Brejo da Madre de Deus, no Agreste de Pernambuco. 

Assista a reportagem exibida pelo programa O Povo na TV da TV Jornal no interior.
http://noticias.ne10.uol.com.br/interior/agreste/noticia/2014/10/20/motoristas-tapam-buracos-que-impedem-trafego-de-veiculos-na-pe-145-515270.php

            sid

Datafolha: Dilma tem 52% e Aécio, 48%



Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (20) aponta os seguintes percentuais de votos válidos no segundo turno da corrida para a Presidência da República:

Dilma Rousseff (PT): 52%
Aécio Neves (PSDB): 48%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "Folha de S.Paulo".

De acordo com o Datafolha, na reta final da eleição, os candidatos continuam empatados, no limite da margem de erro, de dois pontos percentuais para mais ou para menos, mas Dilma aparece pela primeira vez numericamente à frente de Aécio em um levantamento feito após o primeiro turno.
            pater

LULA DIZ QUE DILMA NÃO TERÁ PROBLEMAS COM PAULO CÂMARA

Aliados até novembro do ano passado, o PT e o PSB eram parceiros históricos na política. A entrada do partido socialista no campo da oposição, no entanto, não é vista como impedimento para o ex-presidente Lula (PT) quando o assunto é parceria. Em entrevista à uma rádio local na manhã de hoje, o petista disse que Dilma Rousseff (PT) não vai tratar Pernambuco de forma “desigual” caso seja reeleita. O governador eleito do estado Paulo Câmara (PSB) apoia a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República.

“Quando governamos o estado governamos de forma republicana. Se o governador gosta de ter relações, melhor. Ela sabe que ela tem que alavancar um pouco mais de recursos para investimento e educação para as regiões Norte e Nordeste, que são as regiões mais atrasadas. Não queremos tirar nada de nenhum estado brasileiro, queremos que o Nordeste recupere tudo que perdeu em séculos”, declarou.

O ex-presidente também destacou que o partido, em Pernambuco, ainda estuda o que deu “errado” nestas eleições. Basta lembrar que o PT não elegeu nenhum deputado federal no estado. O candidato ao Senado, o ex-prefeito do Recife João Paulo, que chegou a liderar pesquisas, também saiu derrotado. Lula, no entanto, fez questão de frisar que a disputa este ano foi atípica em virtude da morte do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), então candidato à Presidência da República, em agosto. O socialista era seu amigo pessoal.
  
                amorim

Nova pesquisa já aponta empate técnico com Dilma na frente


Pesquisa CNT/MDA divulgada na manhã desta segunda-feira 20 confirma o empate técnico apontado nas mostras Datafolha e Ibope da semana passada, mas com a presidente Dilma Rousseff (PT) numericamente à frente de Aécio Neves (PSDB).

A candidata à reeleição registrou 50,5% dos votos válidos, contra 49,5% do candidato tucano. Esta foi a primeira pesquisa do instituto MDA no segundo turno, portanto não há cenário de comparação com levantamentos anteriores.

Contabilizando os votos gerais, com brancos e nulos, a vantagem da petista é mesma: 45,5% das intenções de voto a Dilma, ante 44,5% a Aécio Neves. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

O instituto MDA realizou 2.002 entrevistas em 137 municípios de 25 estados no sábado 18 e no domingo 19, portanto antes do terceiro debate presidencial, exibido pela TV Record na noite deste domingo.

As pesquisas Datafolha e Ibope divulgadas na semana passada apontaram resultados idênticos entre elas, com empate técnico entre Aécio (51%) e Dilma (49%), mas com Aécio dois pontos à frente. O Datafolha divulga um novo levantamento nesta segunda-feira 20, às 18h no site da Folha de S. Paulo.

O Ibovespa acentuou a queda após a divulgação da pesquisa mostrando Dilma um ponto à frente.
                 AEI

Caminhão cai em barranco e mata três pessoas em cidade do Cariri

Três pessoas morreram após o caminhão em que eles estavam cair em um barranco na BR-104, na zona rural do município de Alcantil, Cariri paraibano, no domingo (19). De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motorista do caminhão perdeu o controle do veículo ao frear e acabou caindo no barranco.

O acidente aconteceu na tarde do domingo. O caminhão, carregado com tomates, saiu de Campina Grande com destino ao município de Vitória de Santo Antão, em Pernambuco. Ao chegar em uma curva na cidade de Alcantil, o motorista tentou frear o veículo para fazer a curva, mas acabou perdendo o controle do caminhão, que capotou e caiu em um barranco.

Com a queda, o motorista e dois passageiros acabaram sendo esmagados pela cabine. A carga ficou espalhada na encosta da estrada. Equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e do Corpo de Bombeiros estiveram no local, mas as vítimas não resistiram aos ferimentos. Uma perícia será feita pela PRF para tentar identificar as causas do acidente.


domingo, 19 de outubro de 2014

MEGA-SENA ACUMULA, E PRÊMIO PODE CHEGAR A R$ 50 MILHÕES NA QUARTA-FEIRA (22)

Ninguém acertou as seis dezenas sorteadas no concurso 1.645 da Mega-Sena realizado neste sábado (18), em Natividade da Serra (SP). No próximo sorteio, que vai acontecer na quarta-feira (22) a previsão é que o prêmio chegue a R$ 50 milhões.

Veja as dezenas: 08 - 18 - 21 - 31 - 37 - 38.

A quina teve 137 acertadores e cada um vai levar R$ 29.198,03. Já a quadra pagará R$ 680,29 para cada um de seus 8.400 ganhadores.

Para apostar
A Caixa Econômica Federal faz os sorteios da Mega-Sena duas vezes por semana, às quartas-feiras e aos sábados. As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país. A aposta mínima custa R$ 2,50.
O ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa afirmou na delação premiada ao Ministério Público Federal que, em 2010, o esquema de corrupção na estatal repassou R$ 1 milhão para a campanha ao Senado da petista Gleisi Hoffmann (PR). Em 2011, no início do governo da presidente Dilma Rousseff, ela se licenciou do mandato para assumir o cargo de ministra-chefe da Casa Civil - posto que ocupou até fevereiro deste ano.
O ex-diretor da Petrobrás disse que recebeu pedido para "ajudar na candidatura" de Gleisi. A solicitação, afirmou o ex-diretor da Petrobrás, foi feita pelo doleiro Alberto Youssef.
Costa e Youssef são alvo da Operação Lava Jato, deflagrada em março pela Polícia Federal para combater o que considera uma organização criminosa que se instalou na Petrobrás para promover corrupção e lavagem de dinheiro.
O ex-diretor da estatal lembrou ainda que, em 2010, o marido de Gleisi, Paulo Bernardo, ocupava o cargo de ministro de Planejamento, Orçamento e Gestão do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Neste ano, a petista concorreu ao governo do Paraná e terminou a disputa na terceira colocação, com 14,9% dos votos.
Registro. Costa disse que o repasse de R$ 1 milhão para a campanha da senadora "se comprova" na inscrição que ele próprio lançou em sua agenda pessoal, apreendida pela PF no dia 20 de março, três dias depois da deflagração da Lava Jato.
Numa página do caderno do ex-diretor consta, entre outras, a seguinte anotação: "PB 0,1". Segundo o delator da Lava Jato, o registro significa "Paulo Bernardo, R$ 1 milhão". Importante quadro do PT, Bernardo ocupa desde 2011 o cargo de ministro das Comunicações na gestão de Dilma, candidata à reeleição.
Em espécie. Os investigadores da Lava Jato tiveram a confirmação de que a quantia de R$ 1 milhão destinada à campanha de Gleisi foi entregue em espécie, em Curitiba, para "um emissário" da campanha da senadora.
Costa já concluiu o processo de delação, após sucessivos depoimentos a um grupo de procuradores da República. Youssef decidiu seguir o mesmo caminho e ainda está fazendo declarações.
Em seu relato, o ex-diretor da Petrobrás disse que o dinheiro para a campanha de Gleisi saiu de uma cota equivalente a 1% sobre o valor de contratos superfaturados da Petrobrás.
Esse valor, afirmou Costa, era da "propina do PP", partido da base aliada ao governo Dilma que foi presidido pelo deputado José Janene (PR), morto em 2010. Janene foi líder do PP na Câmara dos Deputados e réu do mensalão federal no Supremo Tribunal Federal.
O ex-executivo da Petrobrás revelou que o PT e o PMDB eram contemplados com parcelas de valores dos contratos de diretorias da estatal. O partido do governo, segundo ele, ficava com até 3% em alguns casos.
Youssef contou em seu depoimento à Justiça Federal que Costa, apesar de cuidar do 1% destinado ao PP na diretoria de Abastecimento, "muitas vezes tinha que atender a pedidos do PMDB e do PT".
Em uma das denúncias da Lava Jato, os procuradores da República responsáveis pela investigação do esquema registram que, numa planilha encontrada com os réus, constam anotações manuscritas de seis grandes construtoras do País, todas com contratos ativos na Petrobrás. "Doaram, juntas, R$ 35,3 milhões a partidos da base parlamentar de apoio ao governo federal na campanha de 2010."
No mesmo documento, que tanto Youssef como Costa confirmaram conter anotações sobre as propinas, estão os registros "executivo", "nome de empresas" e "solução".
PSDB. O ex-diretor da estatal afirmou também nesta semana que o ex-presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE) - morto em março deste ano -, cobrou R$ 10 milhões em 2009 para neutralizar a CPI da Petrobrás, instalada naquele ano para apurar irregularidades na companhia, incluindo as obras da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco , empreendimento orçado, inicialmente, em R$ 2,5 bilhões, e que já consumiu R$ 20 bilhões, segundo o Ministério Público Federal.
© Beto Barata/Estadão
Costa disse que a construtora Queiroz Galvão, que detém parte do contrato da Abreu e Lima, pagou R$ 10 milhões para a campanha tucana em 2010.
Segundo ele, a Queiroz Galvão integrava "cartel" das empreiteiras que assumiram o controle de contratos bilionários da estatal.

Daqui a alguns dias Jataúba vai ser assim!