domingo, 27 de setembro de 2015

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, anunciou, nessa quarta-feira (23), que serão investidos R$ 100 milhões para a construção de mais cisternas na região semiárida do Nordeste do país no próximo ano.

O anúncio foi feito durante o 3º Encontro Temático: Água e Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. A contratação do serviço foi publicada no Diário Oficial da União dessa quarta-feira.

Segundo a ministra, desde 2003 até agosto de 2015, foram construídas quase 1,2 milhão de cisternas no País, sendo 329,6 mil no Nordeste. A meta é estender esse benefício a 8 mil escolas rurais até 2018, disse.

Campello também afirmou que o governo já conseguiu a universalização dos serviços de abastecimento de água em alguns estados, como é o caso de Alagoas.

“São 1,2 milhão de mulheres que deixaram de carregar água na cabeça, e quase 27 bilhões de litros de água armazenada no Nordeste, território que é duas vezes [o tamanho] da França. Temos, no Brasil, a maior ação de adaptação ao clima que vem sendo realizado no mundo, com o programa de cisterna, para que a população pobre tenha acesso à água”.

A ministra fez uma crítica aos opositores do atual governo, alertando que é preciso olhar as conquistas do País para que “elas não retrocedam”. Ela disse que, após ser bem sucedido nas ações de combate à fome, o Brasil tem agora o desafio de enfrentar a questão da obesidade.

”Temos o problema que outros países estão vivendo, como o México e os Estados Unidos, com uma parcela grande de obesidade, e isso também é insegurança alimentar”.

O tema é um dos principais assuntos a serem tratados na 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, marcada para novembro. Segundo a ministra, a ideia é criar medidas de incentivo à alimentação mais saudável, que inclua no cardápio arroz, feijão, legumes, verduras e frutas, entre outros itens naturais. Para isso, haverá uma mobilização conjunta da sociedade e das três esferas de governo: federal, estadual e municipal.

O Programa Cisternas garante o acesso à água potável para famílias de baixa renda que moram em áreas rurais onde não há abastecimento regular por rede de água, especialmente as que vivem no Semiárido. Construídas com placas de cimento, as cisternas têm capacidade para armazenar 16 mil litros de água, suficientes para atender a uma família de 5 pessoas por até 8 meses.

O programa também leva às famílias de agricultores tecnologias de abastecimento de água para produção agrícola, com sistemas simples e de baixo custo.

Para ser atendida pelo Programa Cisternas, a família deve estar inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Se você obedece aos requisitos do programa, procure uma liderança de sua comunidade para saber como ser atendida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário